A evolução do sono das crianças

Você sabe como funciona a evolução do sono das crianças? Uma das coisas que mais me perguntam desde que o Serginho nasceu é se ele dorme bastante. Meu pequeno está com apenas três meses e, por enquanto, posso dizer que tenho sorte (estou cruzando os dedos para que essa sorte não acabe rs rs rs). Ele já está dormindo até sete ou oito horas por noite e, algumas vezes, vai direto até de manhãzinha, outras acorda para mamar de madrugada, e durante o dia costuma tirar um ou dois cochilos.

Mas sei que muita gente sofre – e bastante – com a falta de sono ou o sono irregular dos seus filhos. Minha sobrinha Manu, por exemplo, está com quase 1 ano e meio e ainda acorda várias vezes durante a noite, geralmente chorando, e só volta a dormir se mamar no peito, o que é muito cansativo tanto para ela quanto para a minha irmã que até hoje não consegue ter uma boa noite de sono.

O sono do bebê é um dos temas mais procuramos na internet e muito acessado aqui no blog. Já falamos algumas vezes sobre o assunto, demos algumas dicas sobre como o bebê pode ter uma noite de sono mais tranquila e até abordamos como o horário de verão (vigente nos principais Estados brasileiros) pode interferir no sono das crianças.

Agora, para entendermos um pouco mais sobre como funciona (ou não) o sono dos nossos filhos, achei interessante contar para vocês o que alguns estudiosos sabem sobre o tema. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, durante a infância as crianças passam por modificações do sono e essas mudanças refletem, diretamente, no grau de maturidade e no desenvolvimento do sistema nervoso central dos pequenos.

Veja que bacana a evolução do tempo de sono durante o primeiro ano de vida do bebê, na infância e na adolescência. É importante lembrar que as crianças não são todas iguais e diversos fatores podem interferir no sono delas, por isso, não, necessariamente, seu filho seguirá essa sequência do sono.

Idade

Média de horas de sono

Características do sono

Recém-nascidos (0 a 30 dias de vida)  16 a 20 horas Ciclos de sono com 1 a 4 horas de duração, intercalados por período de vigília de 1 a 2 horas, independente de ser noite ou dia.
Lactentes
(1 a 12 meses)
 14 a 15 horas (em torno do 4º mês de vida) e 13 a 14 horas (em torno do 6º mês de vida) Entre 6 semanas e 3 meses começa a ocorrer diferenciação dos ciclos de sono diurnos e noturnos, que ficam mais longos. Após os 6 meses, o bebê tem cochilos diurnos (em torno de dois por dia) que podem durar de 2 a 4 horas.
 1 a 3 anos  12 horas Sono noturno consolidado e um cochilo por dia (1,5 a 3,5 horas).
 3 a 6 anos  11 a 12 horas Redução dos cochilos. Em torno de 4 a 5 anos não ocorrem mais cochilos durante o dia.
 6 a 12 anos  10 a 11 horas Observa-se diferença em relação à duração do sono noturno em dias de semana e fins de semana.
 Adolescentes(Maiores de 12 anos)  Ideal = 9 horas
Real = 7 horas
Esquema de horários costuma ser irregular, atraso do sono é bastante comum.


Outras curiosidades:
– O primeiro indício de que o recém-nascido está adequando o seu ritmo biológico ao dia de 24 horas é entre a 3ª e a 4ª semana de vida, quando fica mais agitado e chora, principalmente no final da tarde ou início da noite. É a chamada “hora da cólica”.
– Entre o 1º e o 4º mês, o bebê adapta-se progressivamente à luz, passando a ter um sono mais longo à noite.
– Entre 2 e 3 anos, a dificuldade de separação dos pais se reflete na ansiedade, na dificuldade de dormir e nos medos noturnos. Nesta fase é fundamental manter as rotinas para dormir. Os distúrbios do sono são comuns entre 20% e 30% das crianças nesta faixa etária. Recomenda-se evitar o cochilo no finalzinho da tarde, pois pode interferir no sono noturno.
– A transição para o padrão adulto de sono acontece a partir dos 5 anos e vai até os 12. Nessa faixa etária são frequentes os pesadelos e as parassonias (movimentos anormais que interrompem o sono).
– Na adolescência ocorre o aumento da sonolência durante o dia, devido à privação de sono. Nessa idade é frequente o sono demorar a chegar, podendo atrasar de uma a 3 horas.

Interessante saber como funciona a evolução do sono das crianças. Dessa forma fica mais fácil lidar com as noites mal dormidas!

Beijos, da Mamãe Prática Fabi

Fontes:
www.pediatraonline.com.br/padilhaconsultorios
www.conversandocomopediatra.com.br

Foto: Maira Kouvara/ freeimages

logo_clubeCadastre-se no Clube Mamãe Prática para acompanhar nossos posts e novidades!

4 ideias sobre “A evolução do sono das crianças”

    1. Oi Desirée!
      Se é difícil dormir quando temos um bebê, nem consigo imaginar com três! Que bom que você conseguiu estabelecer uma rotina, conta pra gente o que deu certo (muitas mamães sofrem bastante quando o assunto é o sono das crianças!).
      Beijos para você e as três pequenas.
      Fabi

Deixe uma resposta