acne na gravidez

Acne na gravidez: como prevenir e tratar

Olá meninas! Quem tem ou teve muita acne durante a gravidez? Lembro que no início da minha gestação apareceram espinhas e cravos no meu rosto, mas felizmente logo sumiram.

Você sabia que acne na gravidez é algo relativamente comum? Foi o que aprendi com a nossa colunista, a dermatologista Tatiana Aline Steiner, especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

A médica nos enviou um texto bastante esclarecedor sobre o tema, explicando porque as espinhas podem aparecer na gravidez, como fazer a higienização correta e quais tratamentos são proibidos. Com a palavra a Dra. Tatiana:

ACNE durante a gravidez

Durante a gravidez ocorrem mudanças imunológicas, endócrinas, metabólicas e vasculares que fazem com que a gestante fique mais suscetível a alterações na pele.

Hoje vamos falar sobre a acne, uma doença inflamatória crônica que atinge 25% das gestantes e é pior no primeiro trimestre, devido aos elevados níveis hormonais. Algumas mulheres percebem melhora da pele e regressão das espinhas, enquanto outras procuram algum tipo de tratamento neste período.

As lesões geralmente são moderadas, predominantemente na face, e a idade não tem relação com a intensidade do quadro.

O ideal é conversar com o obstetra e o dermatologista assim que você souber que está grávida e seguir cuidadosamente as orientações para saber o que ainda é permitido neste período.

O tratamento na mulher grávida necessita de atenção especial e mesmo o uso de substâncias tópicas requerem prudência.

É importante que a gestante não tome nenhuma medicação sem o conhecimento e a permissão do médico e que seja orientada a interromper qualquer medicamento oral caso haja atraso no ciclo menstrual.

Há uma orientação definida pelo FDA (Food and Drug Administration), órgão regulatório dos Estados Unidos, que classifica o risco potencial para o embrião ou feto em categorias de risco para várias substâncias. Essas categorias são:

A – Estudos controlados realizados em mulheres – não apresentam risco fetal
B – Sem evidência de riscos em humanos
C – O risco não pode ser afastado e faltam estudos adequados. O medicamento não deve ser prescrito se o risco/benefício não justificar.
D – Evidência de risco fetal
E – Contraindicado na gravidez- o risco é grande na espécie humana.

Várias substâncias usadas habitualmente para o tratamento da acne estão classificadas nas categorias C/D (NÃO PERMITIDAS durante a gravidez), de forma que é importante estar ciente desta classificação ao usar qualquer medicamento.

Limpeza-higienização

O primeiro passo no combate as lesões inflamadas e aumento da oleosidade é seguir uma rotina de cuidados diários que incluem: limpeza, proteção solar e uso de substâncias ativas que controlam o processo inflamatório.

Escolher sabonetes suaves e que não causem irritação na pele. Os sabonetes com ácido salicílico não são permitidos durante a gravidez e a principal escolha com efeito secativo é o ácido glicólico.

O uso de demaquilantes micelares, loções de limpeza e adstringentes também são recomendados na rotina de higienização para desobstruir poros e remover os resíduos deixados pelo protetor, maquiagem e restos celulares da pele.

A água micelar é uma solução de limpeza com moléculas solúveis em óleo e em água que geram micelas que absorvem as partículas de sujeira e as eliminam.

O grande diferencial desse produto é a tecnologia micelar que une um agregado de moléculas com características polares e apolares. Esse mecanismo permite que o processo de limpeza ocorra por absorção e arrastamento das partículas de sujeira, não agredindo, nem irritando a pele. Na prática, essa tecnologia é a responsável pelo processo de limpeza não agressivo, muito suave.

A limpeza deve ser realizada no mínimo duas vezes ao dia com lavagem facial (sabonetes com ácido glicólico são uma boa opção) seguida de limpeza com algodão com tônicos ou adstringentes.

PROTEÇÃO SOLAR

O protetor solar está liberado e deve ser utilizado diariamente pelas gestantes, após limpeza da pele, principalmente na prevenção de manchas, muito comum durante a gestação.

Entretanto, as mulheres com tendência a acne e oleosidade devem escolher protetores livre de óleo (“oil free”) e não comedogênicos para evitar piora das lesões.

Há muitas opções no mercado e aqueles com cor e tonalizantes são excelentes para promover cobertura e esconder as manchas escuras e avermelhadas da pele.

Não há contraindicação para o uso de protetor solar. Todos são recomendados e a grávida pode escolher aquele que cosmeticamente irá agradar mais.

O ideal é utilizar fator de proteção solar (FPS) acima de 30. As mulheres com tendência de melasma devem utilizar produto com FPS maior de 50.

Tratamento- Ativos

  1. Clareadores: Apesar de muitas mulheres solicitarem o uso de substâncias clareadoras neste período, elas devem ser evitadas porque a maioria contém hidroquinona, Ácido Kógico ou outros ativos que são categorias C.O Ácido Azeláico é categoria B e pode ser usado nas concentrações de 15 a 20%, como opção clareadora neste período. Ele tem ação despigmentante e também anti-inflamatória.
  1. Antiinflamatórios: Cremes à base de ácido salicílico, normalmente recomendados para tratar as espinhas, não são indicados, pois estudos indicam que pode levar a anomalias no feto e diversas complicações na gravidez.O peróxido de benzoíla deve ser evitado porque não há estudos consistentes em gestantes. O ácido azeláico, como já mencionado, é categoria B e boa opção para efeito anti-inflamatório.
  1. Retinóides: O ácido retinóico (tretinoína) e seus derivados (retinol e retinaldeído) são Categoria C e proibidos durante a gravidez. Apesar de existirem poucos estudos sobre a possível teratogenicidade da tretinoína tópica os resultados são contraditórios e pouco consistentes.

MEDICAMENTO ORAIS

As drogas da família das tetraciclinas, como a minociclina, a doxiciclina, e as tetraciclinas estão associadas à toxicidade hepática materna, manchas nos dentes das crianças e eventualmente outras anormalidades congênitas. Elas não devem usadas por gestantes.

A eritromicina (estearato) é medicamento seguro na gestação e uma das principais opções quando há muita inflamação.

A isotretinoína oral é proibida durante a gravidez devido a sua teratogenicidade, isto é, a capacidade de causar deformidades cardíacas, craniofaciais e outras malformações.

Qualquer tratamento efetivo para controlar a doença deve ser seguro para a mulher e para o feto em desenvolvimento.

Por fim, vale dizer que o tratamento da acne de forma definitiva e segura deve ocorrer fora do período gestacional, garantindo assim, segurança e tranquilidade à futura mamãe e ao bebê. Dessa forma, durante a gravidez o mais recomendado é manter a pele limpa e corretamente higienizada.

Dermatologista Tatiana SteinerCom seu olhar de mãe e médica, a dermatologista Tatiana Aline Steiner participa do blog com conteúdos para ajudar nós, mamães, diante dos desafios da maternidade, como quando nossos pequenos ficam doentes. Tatiana é mãe da Lorena e do Bruno, além de diretora técnica da Clínica DSkin – Unidade de Tratamentos.  Site: www.denisesteiner.com.br

 

 

Interessante como na gravidez é importante tomar cuidado com todo tipo de tratamento, não é? Vale ficar atenta!

Beijos, da Mamãe Prática Fabi

Foto: Simona Balint

clubeCadastre-se no Clube Mamãe Prática para receber nossos posts e novidades!

Uma ideia sobre “Acne na gravidez: como prevenir e tratar”

  1. Adorei o Post Fabi, a minha pele é muito eleosa e no período que estava tentando engravidar meu rosto parecia de adolescentes de tanta espinha e cravo que apareceram ainda bem que agora sumiram .. e protetor aqui não falta, é tão essencial quanto escovar os dentes

    Bjs Mi Gobbato

Deixe uma resposta