dermatite

Cuidados com a pele no inverno: como prevenir e tratar dermatite

Olá meninas! Quando chega a temporada de frio é comum sofrermos mais com alergias e problemas de pele, tanto nós adultos quanto as crianças. Eu mesma venho lidando com uma dermatite há mais de um ano e no inverno o problema sempre piora.

É interessante saber que alguns cuidados podem ajudar a prevenir e minimizar as doenças da pele no inverno como evitar banhos muito quentes e demorados, hidratar todos os dias a pele, usar sabonete neutro e outras dicas.

Se você quer prevenir ou precisa tratar o problema, vale conferir o artigo abaixo da nossa colunista, a querida dermatologista Tatiana Aline Steiner, especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

As orientações são ótimas, práticas e valem para o cuidado com a pele de toda a família. Com a palavra, Dra. Tatiana:


Cuidados com a pele de toda a família no inverno

A pele é o maior órgão do corpo humano com exposição para o meio exterior, ao mesmo tempo que é o reflexo do que está no seu interior e o anteparo para o que vem do exterior. Uma importante função da pele é ajudar a manter constante a temperatura do nosso corpo.

No inverno, como a temperatura ambiente é mais baixa, a glândula sebácea baixa sua produção, diminuindo a água e o óleo da superfície da pele que é o manto de proteção natural, fazendo-a desidratar e ficar seca.

Essa oleosidade “natural” é muito importante para proteger o corpo do frio, da penetração de bactérias, de fungos, dos vírus, de poluentes do ar e do contato com alérgenos.

Portanto, é nesta época do ano que pioram as dermatites, os eczemas e as mamães precisam redobrar os cuidados com a pele, reforçar a hidratação, tomar bastante água, utilizar cremes hidratantes e evitar produtos com substâncias que provoquem ressecamento e irritação.

Alergias (dermatites) e eczemas. O clima frio e seco favorece seu aparecimento:

Dermatite atópica (ou eczema atópico)
Alergia crônica que apresenta lesões que coçam, formam crostas, descamam e até podem soltar secreção. As crianças atópicas têm a barreira de proteção da pele ruim, um sistema imunológico deficiente e extrema sensibilidade a praticamente tudo que entra em contato com a pele, que fica seca, sensível, irritada, com tendência a lesões. Na fase aguda, aparece a lesão típica da dermatite atópica: o eczema atópico.

Até 5 anos, a dermatite atópica é mais comum na face/ bochecha
eczema
Dermatite/ eczema atópico
dermatite
Nas crianças maiores de 5 anos, a dermatite é mais comum atrás dos joelhos e nos cotovelos

Eczema
Popularmente conhecido como “impinge”, pode ser causado por fungos ou alergias e também é agravado pela redução da temperatura que prejudica o manto de proteção lipídica.

eczema
Mãos e pernas são pontos de ressecamento intenso no inverno, além dos lábios.
eczema problemas de pele
Mão com eczema

eczema na perna

Perna com eczema
Dermatite Seborreica
A dermatite seborreica é uma inflamação crônica da pele que surge em pessoas geneticamente predispostas. As lesões características da doença ocorrem predominantemente nas áreas de maior produção de oleosidade pelas glândulas sebáceas. Ocorre principalmente na região da cabeça e face, com uma descamação que pode variar desde fina descamação até a formação de grandes crostas aderidas ao couro cabeludo. A coceira é um sintoma frequente.

dermatite
Nos bebês e crianças, a dermatite seborreica aparece com frequência no couro cabeludo e na zona T da face
dermatite
Dermatite seborreica no couro cabeludo


Quais são as causas e como tratar?

A causa exata da dermatite atópica ainda é desconhecida, mas há uma combinação de pele seca e irritável com um mau funcionamento no sistema imunológico do corpo. É uma condição adquirida por herança genética e comumente está associada a algum quadro respiratório, como asma, bronquite e rinite alérgica.

pele seca
Exemplo de pele muito seca, ou seja, mais propensa a qualquer tipo de eczema

Não é, portanto, uma alergia passageira. É um problema constante que alterna crises e momentos de melhora. Os principais fatores de risco para o desenvolvimento de dermatite atópica incluem:

  • Alergia a pólen, mofo, ácaros ou animais
  • Contato com materiais ásperos
  • Pele seca
  • Exposição a irritantes ambientais
  • Exposição à água
  • Fragrâncias ou corantes adicionados às loções ou sabonetes
  • Estresse
  • FRIO

A chave para o controle da dermatite atópica é evitar ou reduzir a exposição aos fatores desencadeantes e tratar as crises agudas.

O tratamento visa restaurar as funções protetoras da pele. A pele precisa de água e lipídeos (óleos) para restaurar a barreira natural. Por isso, a hidratação é importante e deve ser diária, mesmo quando não há lesões.

Nas crises, são utilizados medicamentos com ativos específicos prescritos pelo dermatologista, como corticosteroides, antibióticos, anti-histamínicos. Quando utilizados corretamente e sob orientação médica, o tratamento melhora significativamente a qualidade de vida dos pacientes

O eczema pode ser causado por agente infeccioso e por um ressecamento intenso não tratado. A melhor forma de prevenir é utilizando hidratante diariamente. Uma boa dica é associar diferentes princípios hidratantes para ter um resultado mais favorável.

Mãos, pés, joelhos e  cotovelos tendem a sofrer maior ressecamento porque são áreas sensíveis, secas e com constituição diferente das outras regiões do corpo. A hidratação deve ser redobrada, inclusive com agentes específicos para estas regiões.

A causa da dermatite seborreica também ainda é desconhecida, mas a oleosidade excessiva e um fungo (Pityrosporum ovale) presente na pele afetada estão envolvidos no processo.

A maior atividade das glândulas sebáceas ocorre sob a ação de hormônios, por isso, o início dos sintomas ocorre geralmente após a puberdade. Nos recém-nascidos, também podem ocorrer manifestações da doença devido ao androgênio materno ainda presente.

Como prevenir o problema

Quando pensamos em prevenção, algumas dicas são muito importantes para as famílias, principalmente para quem tem bebê ou criança com atopia e ressecamento intenso: 

  • Hidratação DIÁRIA – mínimo 2x/dia, sempre após o banho. Muitos pacientes abandonam o uso do creme quando a pele melhora. Isto é um erro. O creme hidratante deve ser aplicado na pele úmida até 3 minutos após o banho.
  • O creme hidratante deve ser branco e sem perfume. Alguns pacientes precisam aplicar mais do que 2x/dia. Lembrar que o hidratante funciona melhor quando aplicado com a pele úmida.
  • Um banho por dia, rápido, com duração média de 5 a 10 minutos e em temperatura MORNA (máximo 35 graus). NUNCA 2 banhos! Prefira chuveiro à banheira.
  • Não utilizar sabonetes antissépticos e buchas, pois eles removem a hidratação natural da pele. Evite esfregar o corpo com buchas para não remover a proteção natural.
  • Utilize sabonetes hidratantes específicos apenas nas partes íntimas. Se o sabonete está deixando a pele mais irritada ou seca, troque o sabonete ou suspenda o seu uso temporariamente. Se a pele não estiver suja, limite o seu uso às axilas, região genital, mãos e pés. Secar levemente a pele, evitando esfregar a toalha.
  • Utilize água termal nas áreas secas e irritadas.
  • Passe protetor labial para prevenir rachaduras.
  • Use sempre filtro solar (branco e cremoso) antes de nadar, mesmo em piscinas cobertas. O filtro protegerá parcialmente a pele da ação irritativa do cloro. Logo após sair da piscina, retire a água com cloro com um banho rápido e reaplique o filtro ou creme hidratante.
  • Nunca utilize tecidos sintéticos e lã diretamente na pele.
  • Use roupas íntimas de algodão e sem elástico aparente.
  • Retire as etiquetas das roupas e lave-as antes de usá-las.
  • Mantenha as unhas curtas. Em bebês, use luvinhas para evitar infecções.
  • Evite a lavagem excessiva das mãos.
  • Evite o contato com cachorros e gatos dentro do quarto e escolha bichos de estimação com pouco pelo.
  • Siga a orientação do especialista. Nunca automedique seu filho!
  • Nunca utilize fórmulas e receitas caseiras.

 Que tipo de hidratante pode ser usado?

Hidratantes efetivos agem como protetores e restauradores da barreira cutânea e também como agentes que conseguem conter a água local e manter a hidratação eficiente.

Estes produtos podem funcionar de 2 maneiras:

  • Hidratantes oclusivos: Impedem que parte da água saia do corpo porque são oleosos e ela não evapora. Os principais exemplos incluem silicone, cera, lanolina e óleo mineral.
  • Hidratantes umectantes: Agem atraindo a água para dentro da camada córnea (camada externa da pele) e os principais tipos são ureia, lactato de amônio, glicerina e ácido hialurônico.

Cremes com ureia acima de 10% e lactato de amônio são indicados para áreas muito ressecadas como joelhos, cotovelos e pés.

Mais dicas para a temporada de frio

  • No inverno, evite os sabonetes conhecidos como antisépticos. Eles são extremamente secativos e podem piorar o problema.
  • Escolha um sabonete neutro, com pH mais próximo da pele, que é menos agressivo e ajuda a manter a camada de oleosidade natural da pele.
  • Atualmente os sabonetes menos agressivos estão no mercado com o nome SYNDET que são detergentes sintéticos (e não sabão), que podem ter o Ph semelhante ao da pele e, portanto, menos irritantes que os sabonetes tradicionais.
  • O vento e a mudança brusca de temperatura também aumentam a perda de água. No inverno é comum as pessoas tomarem banhos mais quentes e demorados, o que resseca ainda mais a pele. Isso faz com que ela fique esbranquiçada, descamativa e, em casos mais graves, até forme fissuras.
  • Os banhos quentes e demorados diminuem a oleosidade da pele, deixando-a ressecada e suscetível aos agentes agressores.

 

Dermatologista Tatiana SteinerCom seu olhar de mãe e médica, a dermatologista Tatiana Aline Steiner participa do blog com conteúdos para ajudar nós, mamães, diante dos desafios da maternidade, como quando nossos pequenos ficam doentes. Tatiana é mãe da Lorena e do Bruno, além de diretora técnica da Clínica DSkin – Unidade de Tratamentos.  Site: www.denisesteiner.com.br

 

Gostei muito das dicas da Dra. Tatiana sobre os cuidados com a pele e já estou colocando em prática. Espero que essas orientações também sejam úteis para a sua família.

Gostou do post? Compartilhe com seus amigos e nos ajude a levar informação de qualidade para mais pessoas.

Beijos, da Mamãe Prática Fabi

Foto:  Flickr – Valeriy Osipov

Cadastre-se no Clube Mamãe Prática para receber nossos posts e novidades!

10 ideias sobre “Cuidados com a pele no inverno: como prevenir e tratar dermatite”

  1. Excelente post. Aqui em casa a minha caçula tem dermatite atópica e cuidamos frequentemente de forma preventiva. No inverno os cuidados realmente precisam ser mais intensos.
    O post está com dicas e informações excelentes.
    beijos
    Chris

Deixe uma resposta