Ai, que dor de dente!

Ninguém merece sentir dor de dente, ainda mais quando se está grávida. Pois foi justamente isso que aconteceu comigo no início do oitavo mês de gestação, quando tive uma baita dor de dente e inflamação na gengiva por causa de uma cárie enorme.

O jeito foi recorrer à dentista para ser atendida de emergência no final de semana, mas o tratamento só foi feito realmente na segunda-feira porque grávida não pode tomar qualquer anestesia ou remédio e, nesse caso, a profissional teve que buscar uma anestesia à base de lidocaína para poder me atender.

O que acontece é que durante a gestação as mulheres estão mais sujeitas a desenvolver problemas bucais, como gengivite e cáries, devido ao aumento da produção de hormônios. Além disso, existem pesquisas que mostram que os problemas bucais estão associados a complicações na gestação como parto prematuro, pré-eclâmpsia e nascimento de bebês abaixo do peso ideal.

Como tudo na vida, o ideal é prevenir. Para saber mais sobre o tema e como evitar problemas bucais na gestação, leia abaixo a entrevista da dentista Alzira Varão Lima, especialista em periodontia, de São Paulo-SP, concedida especialmente para o blog Mamãe Prática.

Quais são os principais problemas que afetam a saúde bucal da gestante?

Alzira Lima: Os principais problemas que afetam a cavidade bucal são as doenças periodontais, que acometem as gengivas e os tecidos de sustentação dos dentes. São doenças infecto-inflamatórias que se não tratadas podem causar perda óssea e dentária. No estágio inicial da doença temos a gengivite. A gengiva se torna vermelha, inchada e sangra com facilidade. A gengivite é causada por higiene oral inadequada, isto é, pelo acúmulo de bactérias nos dentes, que recebe o nome de placa bacteriana ou biofilme dentário. A gengivite é reversível com tratamento profissional e uma boa higiene oral doméstica. Quando esta gengivite não é tratada pode evoluir para a periodontite que se caracteriza pela perda óssea e dentária, sendo a principal causa de perda de dentes em adultos.

Por que a gestante tem mais propensão a desenvolver essas doenças?

Alzira Lima: A gestante está mais sujeita a esses problemas porque no período da gravidez há um grande aumento dos hormônios progesterona e estrógeno no organismo. Esta alteração hormonal é responsável pela exacerbação da reação inflamatória gengival, agravando as doenças periodontais na gestante. Se a paciente já tinha uma gengivite ou periodontite antes da gravidez, esta será piorada caso não haja um cuidado satisfatório da higiene bucal, pois apesar da gestação intensificar a reação inflamatória gengival, a placa bacteriana é de fundamental importância para o desenvolvimento da doença. Outro problema é o aumento do risco de desenvolver cáries. Entretanto o aumento da atividade cariosa durante a gravidez está mais associado às mudanças dos hábitos alimentares, isto é, à ingestão de alimentos com maior frequência, maior acidez da cavidade bucal devido a ânsias, enjoos e vômitos e à falta de higienização adequada.

Esses problemas afetam a saúde do bebê?

Alzira Lima: É importante salientar que a saúde geral e bucal da gestante interfere diretamente na do seu bebê. Atualmente existem várias pesquisas que apontam a doença periodontal como fator de risco para complicações gestacionais como parto prematuro, bebês com baixo peso e pré-eclâmpsia. Essa associação entre doença periodontal e complicações gestacionais é baseada no fato de a doença periodontal ser de origem infecciosa, sendo assim, as bactérias, toxinas e agentes inflamatórios presentes na cavidade bucal podem atingir a corrente sanguínea materna e se disseminarem pelo organismo da gestante; alcançando a cavidade uterina, provocando a ruptura de membranas, a contração do músculo uterino e o início do trabalho de parto.

“É importante salientar que a saúde geral e bucal da gestante interfere diretamente na do seu bebê”

Quais são os cuidados e orientações que a gestante deve ter durante a gestação para evitar problemas?

Alzira Lima: Como explicado, os problemas são causados pela placa bacteriana ou biofilme que se formam constantemente ao redor dos dentes. Para evitar problemas durante a gestação a mulher deverá redobrar os cuidados com a higiene, escovação e uso de fio dental, sendo a qualidade da higiene mais importante que a quantidade. A dieta também merece cuidados. Deve-se controlar a ingestão de alimentos açucarados e dar preferência a sucos, frutas e alimentos ricos em cálcio, pois além da saúde bucal materna ser favorecida com uma dieta saudável é importante salientar que os dentes de leite e alguns dentes permanentes iniciam sua formação ainda intrautero e que o paladar da criança começa a se formar a partir do quarto mês de vida intrauterina. Isso significa que a criança pode aprender a gostar de açúcar antes mesmo do seu nascimento.

 “O paladar da criança começa a se formar a partir do quarto mês de vida intrauterina. Isso significa que a criança pode aprender a gostar de açúcar antes mesmo do seu nascimento”

Se a mulher está pensando em engravidar, vale fazer um check-up da saúde da boca antes da gravidez?

Alzira Lima: Ao planejar a gestação é de grande importância procurar um dentista para avaliação da sua saúde bucal, [pois] nesse período, o profissional realizará todos os tratamentos necessários para evitar atendimentos de emergência durante a gestação e irá acompanhá-la durante o pré-natal. A assistência odontológica no pré-natal tem como principal finalidade garantir a saúde dos dentes e gengivas, preservar as funções mastigatórias e a nutrição adequada. O profissional vai orientá-la quanto à escovação correta, uso do fio dental e quanto à dieta adequada. Ao contrário do que se pensa, durante a gravidez deve-se visitar o dentista com maior frequência para se realizar o controle da placa bacteriana.

Por que fazer a prevenção? Durante a gravidez será mais difícil fazer qualquer tratamento?

Alzira Lima: A prevenção além de evitar problemas bucais para a gestante também contribui para a saúde do bebê, pois a saúde do bebê depende da saúde da gestante. Durante a gravidez o tratamento odontológico de emergência pode ser realizado em qualquer período da gestação, uma vez que é mais prejudicial para o bebê a manutenção de infecções na cavidade bucal da gestante. O importante é não deixar focos infecciosos e a gestante com dor. A radiografia em caso de emergência pode ser realizada desde que se use o avental de chumbo. O uso de anestésicos locais em gestantes é considerado seguro. As sessões devem ser curtas, evitando assim situações de estresse. Quanto à prescrição de medicamentos esta deve ser cautelosa, idealmente nenhum medicamento deveria ser administrado no primeiro trimestre da gestação, exceto em casos de urgências, por causa dos riscos de malformações e abortos. O segundo trimestre gestacional é, sem dúvida, o mais indicado para o atendimento odontológico, pois é o período de maior estabilidade, tanto para gestante quanto para o feto.

“A radiografia em caso de emergência pode ser realizada desde que se use o avental de chumbo”

Se você está grávida ou está pensando em engravidar, vale dar um pouquinho de atenção para a saúde da sua boca. Com certeza você evitará alguns incômodos durante esse período!

Beijos, da Mamãe Prática Fabi

Foto: Studio Cl Art

clubeCadastre-se no Clube Mamãe Prática para receber nossos posts e novidades!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.