Passeio no aquário: o dia que me arrependi de ter levado meu filho

Não sou de ficar fazendo polêmicas e esse nem é o objetivo desse blog, já que a nossa proposta é falar sobre o lado prático da maternidade, dar dicas e contar experiências para ajudar mamães e futuras mamães que, assim como nós, vivem os dilemas, as angústias e, ao mesmo tempo, a felicidade do mundo materno. No entanto, vou fazer uma exceção hoje para falar sobre um assunto que está me incomodando e muito.

Há poucas semanas, levei meu filho Serginho (quase 2 anos) para visitar o Aquário de São Paulo, lugar que eu mesma ainda não conhecia, apesar de ser paulistana da gema. A ideia era fazer um passeio diferente para que ele pudesse conhecer de perto espécies diferentes como peixes, cobras, tubarões, jacarés e tantos outros bichinhos. Ao contrário do que eu esperava, o pequeno ficou com um pouco de medo, não saiu do colo do pai (talvez pelo ambiente escuro e por estar muito lotado de gente), apesar de, no geral, ter curtido o passeio.

Durante o passeio, me surpreendi ao conhecer a nova ala do Aquário de São Paulo, recém-inaugurada, com animais como cangurus, suricatos, ursos polares, leão-marinho, lêmures e muitos outros trazidos de países como Rússia, Austrália, Indonésia e África. Sim, eles são lindos e foi muito interessante ver de perto bichinhos tão exóticos. Também parecem ser muito bem cuidados e alimentados pela equipe do Aquário, mas…

Depois que saí de lá fiquei pensando que aprendizado o passeio poderia trazer para o meu filho (quando ele crescesse, evidentemente, porque ele ainda é muito pequeno): conhecer diferentes espécies? Saber de onde vêm os animais? Ou a falta de respeito do ser humano com os animais selvagens que são retirados na natureza para servir de entretenimento?

Será que é preciso mesmo trazer animais de tão longe (ou de perto), submetê-los a muitas horas de viagem, para viverem em tanques e espaços pequenos (alguns até solitários como o lobo-marinho), e servirem de vitrine para crianças e adultos? Os ursos polares, por exemplo, que precisam se exercitar muitas horas ao dia, ficavam nadando em círculos, fazendo o mesmo movimento repetidamente inúmeras e inúmeras vezes (talvez por não terem os milhares de quilômetros que teriam na natureza para nadar).

O fato é que saí de lá triste e fiquei matutando o que estava me incomodando. E o que me incomoda é perceber que o ser humano ainda não evoluiu e parece estar longe disso, pois ainda é capaz de aprisionar outros animais em pequenas “jaulas”, transportá-los milhares de quilômetros para serem expostos ao entretenimento de pais e crianças que talvez não percebam o real significado disso tudo, ajudando a encher o bolso de alguns poucos empresários.

Talvez você que esteja lendo esse post não concorde comigo ou, se concorda, tem algum ponto diferente. Fique à vontade para deixar seu comentário aqui! Ah e se você quiser refletir mais sobre o assunto, recomendo a leitura desse texto: “10 motivos para não visitar o novo Aquário de SP”, da Juliana Zanolli, do site Catraca Livre.

PS: se ainda assim você estiver pensando em levar seu filho pequeno no Aquário de São Paulo, evite levá-lo no passeio “Aquário Abaixo de Zero”, um brinquedo que pensávamos que seria como uma “montanha encantada”, mas só mostra bonecos de bichos ferozes e assustadores (ninguém avisa antes). A maioria das crianças pequenas saiam de lá chorando apavoradas!

Beijos, da Mamãe Prática Fabi

Foto: Mamãe Prática

logo_clubeCadastre-se no Clube Mamãe Prática para receber nossos posts e novidades!

19 comentários em “Passeio no aquário: o dia que me arrependi de ter levado meu filho”

  1. Olá. Talvez, alguns ou a maioria desses animais estão ali como num zoologico, para serem cuidados e tratado tb, pq tiveram algum problema como caça ou extinção sei lá. Concordo no ponto em q , se estão lá APENAS para o nosso entretenimento, isso é errado. Mas pode ser pelos mesmos motivos que muitos animais estão no zoo tb, como falei. De qq forma, levei meus filhos de 5, 3 e 1 ano em fevereiro e eles adoraram, principalmente a parte onde tem as “sereias”.

    1. Pois é, espero que sejam bem cuidados e protegidos de algum risco… mas o que mais estranhei foi trazerem tantos animais diferentes, de tão longe, desnecessário… obrigada pelo seu comentário!

  2. Com meu filho aconteceu a mesma coisa… Entrei e sai o mais rápido possível, porque o lugar é escuro mesmo, mas com essa experiência aprendi que nem sempre as crianças estão aptas para alguns passeios… Por melhor que seja o passeio, mesmo que tenha muita coisa para aprender, descobrir e viver, tudo tem a hora certa e o momento certo… E crianças de 2 a 4 anos precisam mesmo é de passeios ao ar livre, parques, muita brincadeira e diversão, ao lado dos pais, tios, avós primos, amiguinhos… Alguns passeios e lugares, são muito frustantes para as crianças de 2 a 4 anos… e a questão dos animais preso, com certeza é um assunto que deve ser sim, pensado e repensado… Adorei o post…. Tem pessoas que acham que os posts devem ser só de bons resultados, mas a vida nem sempre sai como a gente pensa ou planeja… Beijinhos, Ju
    http://www.maesemfronteiras.com.br/

    1. É mesmo Juliana, tem lugar que não é a melhor opção para crianças tão pequenas… Obrigada pelo comentário, beijos;)

  3. Muito bacana, Fabi. Concordo muito com você! No ano passado, decidi que quando for para a Disney não vou visitar o Sea World nem qualquer outro parque aquático. Fui no aquário de Paranaguá e fiquei feliz em saber que o local funciona como um lugar de transição, de animais que são resgatados em situações de risco na natureza e ficam ali até estarem bem novamente para voltarem ao seu habitat natural.

    Beijo grande 🙂

    1. Oi Melina, que bom que você gostou do post! Interessante a sua colocação sobre o Sea World, também existe muita controvérsia sobre esse lugar. Quando eu tinha 15 anos conheci a Disney e visitei o Sea World, mas na época nem passava pela minha cabeça esse tipo de reflexão. Acho que a maternidade (e a maturidade) faz a gente refletir mais sobre a vida… bjss

  4. interessante seu post…. Não pensava assim. mesmo pq qdo fui a mais de cinco anos minha filha curtiu e não tinha nenhum brinquedo assombroso. Mas o que me alertou a prestar a atenção, foi em me informar melhor com sites e pessoas sobre o local e se realmente é ideal para a idade…. obrigada pela dica.

    1. Oi Andrea, que bom que o post foi útil, de alguma forma, para você… obrigada pelo seu comentário e continue acompanhando a gente, qualquer sugestão, dúvida ou opinião é sempre bem-vinda! beijinhos

  5. Oi! Não conhecia seu Blog e vi o link da postagem pelo face. Você me fez pensar em algo que não havia pensado antes. Pensei em levar meu filho ao aquário e zoológico várias vezes e nunca havia raciocinado dessa forma e confesso que concordo demais com você! Ser mãe é isso, aprender e ver de formas diferentes! Adorei o Blog! Abraços!

    1. Oi querida, fico muito feliz que meu texto tenha te tocado de alguma forma. Acho que a maternidade faz a gente pensar nas coisas de outra forma… Legal ter você por aqui, continue acompanhando a gente, beijos, Fabi

  6. Concordo com vc…mas pior ainda é saber que existem seres humanos que fazem isso com seus filhos, como eu vi no noticiário ontem que um pai enjaulava a filha de 6 anos em uma cela etetrificada. Que tipo de ser é esse?

    1. Nossa Vanessa, que coisa horrível… obrigada por passar por aqui e deixar seu recadinho, continue acompanhando a gente! Beijos, Fabi

  7. Bom tenho que discordar um pouco
    levei meu filho de 2 anos no aquário
    apesar de não entender muito sobre os bichos
    ele gostou muito dos peixes dos pássaros dos macacos em fim de tudo.
    Não vejo como uma restrição aqueles bichos estão lá
    pois muitos deles até podem ter vindo de outros lugares Mas como vamos mostrar os bichos
    somente na televisão nos livros acho importante bichos e outras são muito bem tratados
    Vivemos em lugares que só o Smartphone e os computadores fazem parte da vida das crianças
    presa nos condomínios só poder do brincar sem poder tocar nas coisas há muito poucos lugares de se levar um bebê aqui em São Paulo com criança temos uma Fazendinha ou outra o Zoológico eo aquário acabou
    Museu de História Natural vi Nova York excelente muito bom explica e mostra muito uma pena que os animais são empalhados
    agora pior é matar em um leão simplesmente por matar uma girafa com um tigre isto Sim deveria mostrar às crianças que é errado.

    1. oi Cecil, penso um pouco diferente, mas respeito a sua opinião! Obrigada por compartilhar a sua visão sobre isso aqui com a gente. De qualquer forma, acho que a gente precisa sempre refletir sobre o que queremos ensinar aos nossos filhos né. Beijos, Fabi

  8. Mto obrigada pelas dicas! Estava querendo mto levar minha filha de 1 ano, mas não levarei não. Certamente sairia de lá com o mesmo pensamento q o seu!

  9. Os animais são nascidos em cativeiro. Graças a estas criações em cativeiro está sendo possível salvar diversas espécies de animais da extinção. Não adianta só cupar a caça ilegal. A cidade que vivemos, já foi casa de milhares de outros animais. Muitos animais que vemos hj em dia em zoológicos são a salvação de nossa própria ganância e servem de educação para nossos pequenos.

  10. Levei meu filho de 2 anos no inicio desse ano, e tive exatamente a mesma sensação que você, saí triste do passeio e com um enorme arrependimento por ter ido, não recomendo pra ninguém. O meu príncipe ficou encantado, até hoje ele fala dos bichinhos vistos por lá, ele ainda é pequeno para entender o quão triste foi ver tudo aquilo.

    1. Pois é Andreia, é um tema difícil porque, ao mesmo tempo, é legal as crianças conhecerem os animais. Mas a forma como esses espaços lucram com os animais que vêm de tão longe não é muito legal… Beijos, da Mamãe Paática Fabi

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.