menino no computador

Como usar a tecnologia na educação dos nossos filhos

Todo mundo concorda que, cada vez mais, a tecnologia faz parte da nossa vida e tem horas que parece até que as crianças nasceram com um chip grudado (risos). É impressionante a facilidade com que elas usam computadores, tablets e celulares.

Meu filho está com apenas dois anos e já sabe mexer sozinho em muita coisa: entra na internet, navega pelo YouTube e Netflix, escolhe sozinho os joguinhos, vídeos e filmes que quer assistir. Apesar de não ter estimulado isso (e até ter tentado evitar no início porque acredito que é importante ter limites), com o tempo ele passou a mexer em tudo, principalmente porque observa a mãe e o pai trabalhando com esses aparelhos eletrônicos.

Pensando em como a tecnologia está cada vez mais presente no cotidiano e o fácil acesso que das crianças à elas, achei interessante as dicas que a psicóloga Cátia Rodrigues, pesquisadora Pós-Doc da PUC/SP, enviou pra gente sobre a inserção infantil no universo virtual.

Ela explica que quando a tecnologia é utilizada de maneira consciente esta pode, inclusive, auxiliar no desenvolvimento intelectual e cognitivo das crianças. “É preciso que os pais saibam lidar com os gadgets, que se atualizam e desenvolvem a todo momento, para que possam orientar de maneira ética e responsável o seu uso por parte dos filhos”, diz Cátia.

Essas são as 6 dicas da especialista sobre como os pais podem utilizar a tecnologia a favor da educação de seus filhos. Veja só:

  1. Oriente as crianças no uso das tecnologias
    A educação é um processo longo, repetitivo e diário. As crianças podem até descobrir como usar os dispositivos móveis e computadores por conta própria, porém o uso ético só pode ser conseguido com a orientação dos responsáveis. Por isso, os pais devem ter a consciência de que, mesmo para o uso de ferramentas tecnológicas, é necessário haver a orientação. Além disso, cabe aos pais também refletirem o próprio modelo de usuário tecnológico que eles querem que os filhos sigam. É preciso ensinar as crianças a discernirem o que é informação que pode ir a público e o que é privado e faz parte da vida pessoal e familiar, por isso não deve ser divulgado.
  1. Desenvolva suas habilidades técnicas e conhecimento tecnológico
    Para conseguir orientar da melhor maneira os filhos no uso das tecnologias, é preciso que os pais desenvolvam suas habilidades técnicas e conhecimento ou procurem um profissional que os orientem a respeito dos riscos e meios de proteção que existem no universo virtual.
  1. Selecione atividades de interesse da criança no mundo virtual e jogue com ela
    Não basta orientar as crianças no uso dos dispositivos e da internet, é necessário participar também. Ao invés de utilizá-los apenas para entretenimento e como forma de acalmar a agitação dos pequenos, selecione atividades que interessem a eles e as façam juntos. Procure por jogos educativos e mostre à criança as opções de aplicativos que ensinam cultura, conhecimentos gerais, artes, curiosidades, história, entre outros. Além de ser uma maneira de estar por perto para orientar e supervisionar o uso, é também uma forma de se aproximar dos filhos e fortalecer laços de confiança e intimidade.
  1. Tenha em mente que o ambiente virtual é tão real quanto o presencial
    Os ensinamentos sobre o ambiente virtual têm a mesma importância e intuito que os ensinamentos nos ambientes presenciais, pois ambos são igualmente reais nos dias de hoje. Quando os pais ensinam os filhos a atravessar a rua ou sobre a postura que se deve ter com estranhos, querem protegê-los e prepará-los para a vida no mundo real. O mesmo deve ocorrer no virtual, onde é muito mais fácil ter contato com estranhos e conteúdos inapropriados. É preciso conversar com os filhos sobre os “amigos virtuais” e ensiná-los a lidar com os mesmos. É preciso lembrar que o amigo virtual existe de verdade e os pais devem conferir se são outras crianças, se os filhos estão conversando com adultos, qual o tipo de conversa e fotos que estão trocando, etc.
  1. Saiba diferenciar o acesso à tecnologia da autonomia do uso dos mesmos
    Hoje em dia é quase impossível as crianças não terem acesso à tecnologia. Os pais podem optar por adiar ou não o acesso dos filhos ao universo virtual e dispositivos eletrônicos devido aos riscos que esse ambiente pode oferecer. Porém, devem ter em mente que a questão mais importante não é a idade na qual seu filho vai ter acesso, mas sim quando os filhos podem ter autonomia para utilizar essa tecnologia. Os mesmos critérios que são utilizados para decidir quando eles estão prontos para saírem sozinhos ao shopping devem ser usados em relação às tecnologias.
  1. Esteja atento aos hábitos e finalidades de seu filho no uso da internet
    Quando seu filho estiver usando a internet esteja atento a quais sites ele acessa, qual é a finalidade do uso, quanto tempo ele passa conectado e qual é a natureza do contato que ele tem com outras pessoas no ambiente virtual. Nessas situações sempre converse e reflita com os filhos de forma a conscientizá-los e a descobrir coisas que estimulem e amplie seus interesses. A internet é uma ferramenta excelente para estudos e pesquisas, em como interação social, mas é necessário ensinar uma criança a usá-la para que isso não se torne um pesadelo mais tarde.

Queridas, achei bacana essas dicas e vale a reflexão para a gente que tem filhos pequenos não é?

Beijos, da Mamãe Prática Fabi

Foto: Mamãe Prática

Clube Mamãe PráticaCadastre-se no Clube Mamãe Prática para receber nossos posts e novidades!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.