Menino com boneco do Papai Noel.

Presentes de Natal: o que podemos aprender com eles

Olá meninas, uma dúvida que eu sempre tive é se devo escolher o presente de Natal para a minha filha Manuela, o que, convenhamos, tem algumas vantagens (principalmente a financeira), ou se deixo a pequena (agora com 3 anos) começar a escolher os seus presentes. Por enquanto ela ainda não pediu insistentemente nenhum brinquedo que viu na TV ou na escolinha (toda segunda-feira tem o dia de levar um brinquedo de casa).

Agora está sendo fácil contornar a situação, mas sei que nem sempre será assim. Então, como nós, mães, podemos lidar com essa questão dos presentes dos filhos no Natal? Vejam que interessante a reflexão e as dicas práticas da nossa colunista, a psicóloga infantil Ana Flávia Fernandes. Com a palavra, a Ana Flávia:

O Natal está chegando e muitos pais podem ficar em dúvida se escolhem o presente para os filhos ou se dão a opção para as crianças escolherem seu próprio presente. Essa não é uma tarefa fácil, pois as crianças estão a todo momento com uma lista de pedidos de presentes, mas, tanto uma quanto a outra atitude traz uma mensagem que podemos eleger para transmitir aos pequenos.

Quando escolhemos o presente para a criança colocamos toda nossa intenção e atenção para o que a criança é, suas características, o que ela gosta e o que poderia sentir ao receber de nós aquele presente. A mensagem que vai através do presente escolhido é a demonstração de empatia, do nosso carinho, do reconhecimento e gratidão pela existência da criança na nossa vida.

É muito gostoso presentear e receber um presente, mas isto não deve ser encarado como uma obrigação ou como pagamento de uma dívida que podemos achar que temos com os pequenos. Deve acontecer quando nos sentimos dispostos a investir nosso tempo em pensar naquela criança que vai recebê-lo.

Um dos grandes desafios na hora de oferecer aos pequenos a possibilidade de escolherem seu próprio presente é colocar o limite no valor. A sugestão que dou é que antes de ir até a loja de brinquedos os pais façam esse combinado, informando à criança qual o valor limite e que ela poderá escolher e como ele será utilizado. Por exemplo, o valor estipulado foi de R$100,00, então ela tem a opção de escolher apenas um presente neste valor ou vários, que somados, devem chegar ao valor total do limite ou então escolher algo e caso o valor seja menor que o total, a criança pode guardar o restante do valor para utilizar quando quiser. Nesse contexto, vamos ajudá-la a contabilizar os valores e assim poderá aprender as noções de cuidados financeiros. Além desse aprendizado, também mostramos aos pequenos que os aceitamos como são, ou seja, que podem escolher o que gostam e serão amados da mesma forma, sejam elas escolhas que nos agradam ou não.

Essa época do ano é uma ótima oportunidade para as crianças compreenderem e vivenciarem a solidariedade. As crianças muito pequenas estão na fase do egocentrismo, então é natural que demonstrem resistência em se desfazer daquilo que não usa mais, principalmente dos seus brinquedos. Aos poucos, à medida que vão descobrindo as outras pessoas, superam a necessidade de ser o centro do mundo e se interessam mais pelos outros. Podemos ajudá-las nesse processo contando a importância de pensarmos na necessidade e vontade de outras pessoas, do quanto podemos ficar feliz em poder ajudar outra criança a se sentir feliz.

Nessa parceria podemos juntos separar os brinquedos que usam daqueles que não brincam mais e que podem ser doados. As roupas, sapatos, acessórios e materiais escolares também podem entrar nessa divisão. Após essa separação, as crianças podem participar do processo de entrega desses presentes a uma instituição de abrigo para crianças, uma igreja ou comunidade carente.

As crianças que vivem essa solidariedade, a empatia, a compaixão e a tolerância entendem que não precisam daquele brinquedo para ser feliz, o que realmente dá essa sensação não é o presente, o bem material, e sim a presença, as experiências que vamos criando ao longo da vida.

psicóloga infantil Ana Flavia FernandesPsicóloga Infantil com especialização em Psicodrama, Ana Flávia Fernandes atende as crianças e suas famílias há muitos anos. “Para cuidar bem dos pequenos, também é preciso cuidar dos adultos a sua volta”, explica. Muito querida e atenciosa, ela também nos brinda com a sua sabedoria e experiência clínica no blog Terapia de Criança.

Meninas, espero que vocês tenham gostado das orientações da nossa colunista. E como é o Natal na casa de vocês? O que seus filhos vão ganhar de Natal este ano? Contem pra gente!

Beijos da Mamãe Prática Mari

Foto/Abertura: Estúdio V

Clube Mamãe PráticaCadastre-se no Clube Mamãe Prática para receber nossos posts e novidades!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.