Ambiente seguro para seu bebê

Quando resolvemos casar ou, no jargão popular, simplesmente “juntar os trapos”, a maior alegria (principalmente das mulheres) é começar a arrumar a casa nova, escolher os móveis e a decoração. Se o casal já tivesse em mente o objetivo de ter filhos, o ideal seria já comprar móveis e preparar a casa para receber as crianças, mas quem faz isso?

Geralmente, somente quando temos um bebê é que percebemos o quanto os cômodos do nosso lar podem ser pouco seguros para os nossos pequenos. Pior ainda é o fato de que muitas famílias não se dão conta dos perigos até o momento em que algo de ruim acontece.

Segundo a ONG Criança Segura, os acidentes (lesões não-intencionais) representam a principal causa de morte de crianças de 1 a 14 anos no Brasil. Conforme informa a ONG em seu site, no total, cerca de 4,7 mil crianças morrem e 125 mil são hospitalizadas anualmente, devidos aos acidentes, segundo dados do Ministério da Saúde, configurando-se como uma séria questão de saúde pública. Dentre os acidentes que levam à morte, estão sufocação, afogamento, queda, queimadura com fogo, atropelamento, choque elétrico e envenenamento.

Diferentes aspectos como pobreza, ser mãe solteira e jovem, baixo nível de educação materna, habitações precárias e famílias numerosas são apontados pela ONG como fatores associados aos riscos de acidentes, mas qualquer criança, independentemente da classe social, está vulnerável à ocorrência de acidentes. Por isso, veja a seguir as orientações dessa organização para ajudar a tornar a sua casa mais segura para o seu bebê.

 Dicas práticas para proteger seu bebê de acidentes:

 Berço
• Bebês devem dormir em colchão firme, de barriga para cima, cobertos até a altura do peito com lençol ou manta presos embaixo do colchão e os bracinhos para fora.
• O colchão deve estar bem preso ao berço (não mais que dois dedos de espaço entre o berço e o colchão) e sem qualquer embalagem plástica.
• Procure berços certificados pelo Inmetro, conforme as normas de segurança da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Fique atento às grades de proteção, que devem estar fixas e não devem ter mais que seis centímetros de distância entre elas.
• Remova do berço todos os brinquedos, travesseiros e objetos macios quando o bebê estiver dormindo, para reduzir o risco de asfixia.

 Livre-se dos perigos
• Compre somente brinquedos apropriados para o bebê. Objetos pequenos e partes de brinquedos podem causar sufocação. Verifique as indicações de idade no selo do Inmetro.
• Tenha certeza de que o piso está livre de objetos pequenos como botões, colar de contas, bolas de gude, moedas e tachinhas. Tire esses e outros pequenos itens do alcance do bebê.
• Tenha certeza de que materiais de limpeza, remédios e vitaminas estão trancados e longe do bebê.
• Tire plantas venenosas do alcance das crianças. 

 Previna-se
• Considere a compra de cortinas ou persianas sem cordas para evitar que crianças menores corram o risco de estrangulamento.
• Nunca deixe as crianças, sem vigilância, próximas a pias, vasos sanitários, banheiras, baldes e recipientes com água. Esvazie-os logo depois de usá-los. Guarde baldes e recipientes de cabeça para baixo.
• Evite carregar comidas ou bebidas quentes quando estiver próximo ao bebê.
• Não use toalha comprida na mesa. O bebê pode puxá-la e derrubar utensílios e líquidos quentes sobre ele.
• Não use andador com rodas, prefira o cercado (chiqueirinho).
• Instale telas ou grades nas janelas e sacadas.
• Nunca coloque berços ou outros móveis próximos de uma janela.
• Procure adquirir móveis com pontas arredondadas ou considere o uso de pontas de silicone (protetores de quinas) vendidas em lojas de artigos infantis.
• Evite móveis com vidro ou outro material que possa quebrar e cortar.
• Mantenha uma mão no bebê enquanto troca as fraldas.
• Não deixe o bebê sozinho em mesas, camas ou outros móveis.
• Não permita o acesso do bebê à cozinha. A maioria das queimaduras, especialmente entre as idades de seis meses a dois anos, é causada por comidas e líquidos quentes derramados na cozinha.
• A água quente da pia e da banheira é também responsável por muitas queimaduras em crianças. Sempre teste a temperatura da água do banho, usando o dorso da mão ou o cotovelo, movimentando a água de um lado para o outro para misturar toda a água quente com a fria.

Outra dica é conhecer as orientações da Criança Segura de acordo com as áreas da casa (sala, banheiro, quarto, cozinha e área de serviço), além das recomendações relacionadas à rua e área de lazer. Clique aqui e veja o material ilustrativo.

Beijos da Mamãe Prática Mari

clubeCadastre-se no Clube Mamãe Prática para receber nossos posts e novidades!

Deixe uma resposta