Pediatras querem abolir os andadores

Pais de bebês se derretem com os pequenos, com suas descobertas e peripécias. Quando eles começam a engatinhar e demonstram interesse em aprender a andar é uma grande alegria, mas é aí que também surgem as preocupações, e uma delas está relacionada à polêmica do andador.

Há alguns meses, fiquei impressionada com a forma como o programa Bem Estar, da Rede Globo, abordou o uso do equipamento: deram marteladas no produto e disseram que era para destruí-lo. Imaginei vários fabricantes assistindo aquilo e ficando de cabelo em pé!

Mas a atitude do programa vai de encontro com o pensamento da comunidade médica. Este ano, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) convocou os pediatras a se engajarem em uma campanha para banir completamente o uso do equipamento. O objetivo é proibir a venda do andador no Brasil, assim como já ocorre no Canadá. Por lá, é proibido vender, importar e fazer propaganda de andador para bebês. “Se você tem um andador, destrua-o ou jogue fora, assim ele não será usado novamente”, orienta o site Health Canada.

Segundo a SBP, o equipamento é inútil no processo de aquisição da marcha e traz grandes riscos à segurança dos bebês, que incluem não só os riscos de traumatismos cranianos potencialmente letais, mas também de queimaduras, intoxicações e até afogamentos. No site Conversando com o Pediatra, a entidade expõe mais detalhes:

  • O andador atrasa o desenvolvimento psicomotor da criança, ainda que não muito. Bebês que utilizam andadores levam mais tempo para ficar de pé e caminhar sem apoio. Além disso, engatinham menos e têm escores inferiores nos testes de desenvolvimento.
  • O exercício físico é muito prejudicado pelo uso do andador, pois, embora ele confira mais mobilidade e velocidade, a criança precisa despender menos energia com ele do que tentando alcançar o que lhe interessa com seus próprios braços e pernas.
  • Um dos maiores fatores de risco para traumas em crianças é dar independência demais numa fase em que ela ainda não tem a mínima noção de perigo. Colocar um bebê de menos de um ano num verdadeiro veículo que pode atingir a velocidade de até 1 m/s equivale a entregar a chave do carro a um menino de dez anos.

Se você ainda não está convencido sobre o perigo do andador, assista esta reportagem do Jornal da Gazeta e preste atenção à fala do presidente do Departamento de Ortopedia da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

Beijos

Mamãe Prática Mari

Foto: Freeimages.com/Brent Peak

clubeCadastre-se no Clube Mamãe Prática para receber nossos posts e novidades!

10 comentários em “Pediatras querem abolir os andadores”

  1. Muito boa essa abordagem. Infelizmente existes muitas mães desinformadas e muitas outras acomodadas. Claro que por vezes o andador traz um certo alívio para a mãe quando o beber quer ficar no chão engalfinhando ou rastejando, enfim esse comodismo só trás malefícios para essa criança, e concordo plenamente que deve ser abolido, e a forma como o bem estar demonstrou em seu programa foi exatamente aquilo que todos devem fazer, destruí-los. Um veículo colocado na mão de uma criança, onde ela tem oportunidade de colocar velocidade em seus pés com pouquíssimo esforço. Os riscos são vários, e a vida da criança está em risco, então mãe conscientize-se desse perigo, não exponha seus filhos a ele.

    1. Concordo com VC!! Minha bebê andou com 11 meses sem ajuda de andador!! E hoje ela vai aonde quer com os seus próprios pés!!

  2. Amiga parabéns pela materia!… particularmente não gosto dos andadores tradicionais…seus comentários reforçam ainda mais minha opinião de ser contra aos andadores tradicionais…meus filhos nunca usaram e sempre prezei muito pela segurança deles, já fiquei sabendo de vários acidentes em bebês pelo meu pediatra….me indicaram um andador diferente dos tradicionais, e tipo um macacãozinho que uso no minha filha, a Aninha adora e minhas costas agradecem muito!!.rs , ..se interessar comprei o meu no site http://www.andanenem.com.br, Bjos.

  3. Eu discordo em parte, porque meu filho usou, bem pouco somente dentro da minha sala. Ele usou a partir do 5 mês, com autorização do pediatra, nesta fase ele já firmava bem forte as perninhas e o pediatra sabendo a mãe cuidadosa que sou liberou. Para meu filho era os 10 minutos mais alegre do seu dia. Onde ele tinha liberdade dos movimentos sem forçar…. e eu do lado acompanhando o tempo todo. Não atrapalhou em nada, ele tem uma pisada certinha hoje aos 2a 7 meses. começou a engatinhar aos 5 meses e com 6 meses já segurava nos moveis e se levantava sozinho, já dava seus passinhos. Andou com 11 meses e na festa de 1 ano correu e brincou pra todo lado. entendo a preocupação porque as mães acham que o andador é babá, colocam lá e deixam, assim acho arriscado, mas da forma que usei, acho bem valido e seguro, até porque não forcei nada, ele já tinha firmeza nas perninhas. Não acho que seja apropriado para bebes que não tem muita firmeza que são mais molinhos e se for forçado pode prejudicar sim.

    1. Oi Claudia! Obrigada pelo seu comentário, respeitamos a sua opinião! Eu preferi não usar o andador com meu filho pelos motivos apontados pelos pediatras. E olha, essa fase de aprender a andar passa tão rápido que hoje percebo que realmente não era necessário. Beijos, Fabi

  4. Cada dia sai uma nova. Sou a favor, minha filha adorava, claro que nao pode tirar o olho, ela andou com 8 meses.
    Estou gravida novamente e minha filha vai usar sim.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.