Leite e ovo podem causar alergia nas crianças

Recentemente falei aqui no blog sobre as alergias respiratórias nas crianças, depois do encontro que participamos com a médica Ana Paula Moschione Castro, que é especialista em Alergia e Imunologia pela Associação Médica Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI). Hoje o tema do post é a alergia alimentar, assunto também abordado no evento que foi promovido pelo laboratório MSD.

Segundo a especialista, as proteínas presentes no leite de vaca e no ovo são os principais desencadeantes de alergias alimentares nas crianças. Outros alimentos que também costumam causar alergia nos pequenos são soja, trigo, castanhas, amendoim, camarão e outros.

Sinais de alerta

  • Sintomas gastrointestinais como diarreia e vômitos
  • Dificuldade de ganho de peso
  • Problemas de pele como urticárias, inchaços e dermatites
  • Possibilidade de anafilaxia (reação alérgica grave em que o paciente corre risco de vida)

O que fazer para prevenir
Assim como nas doenças alérgicas respiratórias, a alergia alimentar é geralmente uma combinação de fatores genéticos e ambientais, por isso, quem tem alergia a algum alimento precisa ficar muito atento ao que está comendo.

  • Procure um médico especialista e pesquise os contaminantes (alimentos que estão causando a alergia)
  • Evite contato com os alimentos que causam a alergia
  • Leia os rótulos dos produtos industrializados para verificar se há qualquer traço do alimento

Alergia x intoxicação alimentar
Uma dúvida comum é como saber se a criança teve uma reação alérgica ou somente uma intoxicação alimentar após consumir algum alimento, principalmente se estamos fora de casa ou em uma viagem com os pequenos. Segundo a Dra. Ana Paula, quando a criança não tem histórico de alergia alimentar, os sintomas podem ajudar a identificar o problema.

No caso da intoxicação alimentar, em mais de 99% das vezes os sintomas são vômitos e diarreia, além de febre e até vermelhidão no corpo. Já no caso de uma reação alérgica grave os sintomas gastrointestinais podem ser acompanhados por problemas de pele, como urticárias, mas não febre. Outro ponto é que na alergia alimentar os sintomas aparecem rapidamente, em até duas horas depois do alimento ser ingerido, ao contrário da intoxicação que provoca uma reação mais lenta.

Ouça a entrevista da médica Ana Paula Moschione Castro para o blog Mamãe Prática:

#poenorotulo
Um grupo de famílias de pessoas alérgicas criou recentemente na internet a campanha #poenorotulo para chamar a atenção da população e das autoridades sobre a necessidade da rotulagem correta de alimentos alérgenos, como leite, soja, ovo, peixe, crustáceos, amendoim, oleaginosas e glúten. E a iniciativa está dando certo, já que em 21 de maio a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou uma nota afirmando que sua Diretoria Colegiada “decidiu discutir a regulamentação da obrigatoriedade de alimentos alergênicos na rotulagem dos produtos. A iniciativa atende demandas da sociedade recebidas pela Agência”. É muito legal ver como a mobilização das pessoas pode dar resultado!!

Mamães e papais, espero que tenham gostado do post. Seu filho sofre com alergia alimentar? conte pra gente.

Beijos, da Mamãe Prática Fabi

logo_clubeCadastre-se no Clube Mamãe Prática para receber nossos posts e novidades!

Deixe uma resposta