Tudo sobre as cólicas do bebê

Afinal, mamãe que amamenta pode comer de tudo? Por que algumas mulheres comem sem restrições e seus bebês não têm cólicas? E por que outras não são tão sortudas assim? A resposta é simples: cada criança é única, assim como o desenvolvimento do seu sistema digestório.

Na entrevista a seguir, o Dr. Moises Chencinski, médico especializado em Pediatria e Homeopatia, esclarece essas e outras dúvidas às leitoras do Mamãe Prática. Autor dos livros “Gerar e Nascer – Um canto de amor e aconchego” e “Homeopatia – Mais simples do que parece”, ele também derruba alguns mitos ao afirmar que não existe comprovação científica para a exclusão de nenhum tipo de alimento para a gestante ou para a mãe que esteja amamentando na intenção de prevenir problemas no bebê (cólicas, gases, alergias). Veja todos os detalhes a seguir.

Uma das maiores preocupações dos pais é quando os bebês recém-nascidos entram no período de cólicas. Por que as cólicas acontecem?

Ainda não está totalmente estabelecido esse mecanismo. Define-se a cólica do primeiro trimestre como um quadro transitório em um bebê saudável que dure pelo menos três horas, três vezes por semana, três semanas, e que suma então. Ela pode aparecer a partir da segunda semana de vida e deve sumir no máximo aos quatro meses de vida.

Há teorias que relacionam esse quadro a certa imaturidade de atividade de algumas enzimas, favorecendo a formação de gases e levando a cólicas que melhoram com sua eliminação (dos gases). Outras [teorias] sugerem que bebês que mamem o leite de início de um seio (leite anterior – rico em água, proteínas e lactose – açúcar que pode favorecer a fermentação, importantíssimo como prebiótico “formador” da flora intestinal) e passem ao segundo seio sem chegar ao leite posterior do primeiro seio podem apresentar maior formação de gases, repetindo e agravando esse processo, já que o bebê sempre estaria mamando apenas o leite anterior, ou seja, aquele rico em lactose.

Por que alguns bebês têm cólicas e outros não? E por que algumas mães que amamentam podem comer de tudo (que o bebê não tem cólica) e outras precisam evitar alguns alimentos?

Isso pode depender de muitos fatores: alguns relacionados às mães, outros aos bebês e alguns ao vínculo. Cada bebê apresenta um ritmo de desenvolvimento de seu sistema digestório, suas características de desenvolvimento de flora intestinal. Estudos recentes mostram que o parto via vaginal e que o contato pele-a-pele já na sala de parto podem favorecer a formação de uma flora intestinal mais favorável e isso levando a uma menor intensidade e frequência de cólicas, bem como uma recuperação mais rápida.

Em relação à alimentação materna, só há restrições em casos de algumas patologias em especial, como se o bebê tem alergia à proteína do leite de vaca (APLV) ou alguma outra questão associada (soja, ovo, entre outros). A ansiedade materna, a falta de apoio familiar e o uso de fórmulas infantis podem também ter como consequência o aumento da incidência das cólicas.

“Em relação à alimentação materna, só há restrições em casos de algumas patologias em especial, como se o bebê tem alergia à proteína do leite de vaca”

O que fazer no caso de o bebê apresentar cólicas ou até para evitá-las?

Deve-se lembrar de que esse é um quadro passageiro, que acontece em bebês saudáveis e que vai passar. [É recomendável] Não medicar, não dar chás e sempre conversar com o pediatra para evitar que a ansiedade possa determinar situações de desconforto. Amamentar e deixar o bebê em ambiente de temperatura agradável, com luminosidade limitada e som agradável (de volume não elevado) são bons primeiros passos. Muitas vezes, bolsa de água quente ou até um banho morno podem ajudar. Massagens na barriguinha do bebê, no sentido horário, podem favorecer a eliminação dos gases. Colocar o bebê de bruços nos braços dos pais também é uma medida que pode ser interessante. [Aconselho] Nunca medicar ou automedicar. Mas, principalmente, a compreensão da necessidade que o bebê tem de aconchego, de colo, do contato pele-a-pele é fundamental.

Em geral, quais alimentos as mães que amamentam precisam evitar para o bebê não ter cólicas?

Não há recomendações para mudanças de alimentação que sejam comprovadas pelos estudos. As restrições de alimentos potencialmente alergênicos (leite de vaca, soja, ovo, amendoim) só se justificam se existir uma história familiar de alergia alimentar confirmada ou se o bebê apresentar outros sintomas que possam sugerir essa intolerância ou alergia alimentar. Estatisticamente, perto de 45% dos pacientes com alergia alimentar podem apresentar cólicas. Porém, menos de 1% das crianças com cólicas apresentam alergia alimentar. O ideal é que a gestante e a lactante tenham uma alimentação equilibrada, com hidratação adequada.

“O ideal é que a gestante e a lactante tenham uma alimentação equilibrada, com hidratação adequada”

Beijos, da Mamãe Prática Mari

Foto: Cristiano Borges Fotografia

logo_clubeCadastre-se no Clube Mamãe Prática para receber nossos posts e novidades!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.