Nada é por acaso: como a Manu deixou de dormir com o dedo na boca

Quando estamos grávidas é comum a maioria das pessoas falar: “olha, aproveita para dormir agora, porque depois…” Não sei se é sempre assim, mas comigo a hora de fazer a Manuela dormir ainda é um abacaxi que está difícil de descascar, e olha que ela já fez 1 aninho.

Já escrevi neste blog sobre o problema do bebê fazer o bico do seio de chupeta (situação vivida por mim e milhares de outras mães), mas agora vou abordar outra questão que, até pouco tempo atrás, estava tirando meu sono: quando o bebê só dorme com o dedo na boca.

Pelo o que pesquisei isso geralmente ocorre quando a criança não tem o hábito de usar a chupeta, e foi justamente o que aconteceu com a Manu. Procurei a psicóloga e psicanalista Clarice Wichinescki Zotti, de Curitiba (PR), para saber como podemos mudar esse hábito de colocar o dedo na boca. Segundo Clarice, provavelmente essa é a forma encontrada pelos bebês para apaziguar sua angústia frente à ausência da mãe ou alguma frustração vivida. A dica da psicóloga é para os pais tentarem substituir a necessidade do dedo na boca por um objeto de preferência da criança.

Então, lá fui eu (munida de muita esperança), fazer com que minha pequena substituísse essa necessidade por outra coisa. Apesar das minhas inúmeras tentativas, a bebê não se apegou a nenhum brinquedo para ajudá-la na hora de dormir. Sempre deixo o “naninha” (paninho que tem um cachorrinho na ponta) em seu berço e mostro a ela dizendo que ela vai dormir a noite toda com ele e que este é o seu “au-au de dormir”. Já nos preparativos da hora do sono, também pego esse paninho e vou falando com ela, explicando que ela vai dormir com ele, mas até agora nada … Tentei fazer a mesma coisa com uma boneca bem fofinha, mas ela a joga bem longe, ignorando completamente o que eu digo.

Enfim, quando as minhas esperanças já estavam diminuindo, aconteceu o inesperado. Clarice tinha comentado na entrevista ao Mamãe Prática que há mães que colocam esparadrapo no dedinho do bebê, pois, com o gosto do mesmo, a criança larga o dedo. Confesso que achei aquilo muito estranho e nem tinha pensado em tentar fazer tal experiência.

Mas eis que, sem querer, conseguimos fazer com que a Manu largasse o dedo na boca na hora de dormir. Há algumas semanas, ela foi picada na mão por um inseto, o que causou uma reação alérgica. A prescrição médica foi passar uma pomada e cobrir o dedo com um band-aid, para que ela não colocasse o dedinho com a pomada na boca. Resultado: ela não só melhorou da reação alérgica como largou o hábito de dormir com o dedo na boca!

No começo ela estranhou bastante, chorava e reclamava, mas logo desistiu de colocar o dedo na boca. Depois de cerca de uma semana e meia, tiramos o band-aid e ela já tinha largado o mau hábito. Não é que deu certo?

Não sei se foi só uma coincidência, mas meu coração de mãe prefere acreditar que nada é por acaso. E uma coisa tenho que admitir: há males que vêm para o bem. Não é que o inseto foi picar justamente o dedinho que ela usava para dormir?

Beijos, da Mamãe Prática Mari.

Clique aqui e leia a entrevista completa da psicóloga Clarice Wichinescki Zotti sobre o hábito das crianças dormirem com o dedo na boca.

Foto: Mamãe Prática

logo_clubeCadastre-se no Clube Mamãe Prática para acompanhar nossos posts e novidades!

6 comentários em “Nada é por acaso: como a Manu deixou de dormir com o dedo na boca”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.