Como proteger nossos filhos da dengue

Infelizmente, mais uma vez o surto da dengue acontece em várias cidades do nosso País e, assim como eu, imagino que você, querida leitora, está preocupada com o risco que seus filhos possam correr.

Ouvimos tanta coisa sobre o tema que tem horas que ficamos até sem saber o que realmente funciona (ou não) para proteger a nossa família, não é? Pensando nisso, fui pesquisar quais são as recomendações de fontes mais confiáveis para evitarmos que a doença chegue perto dos nossos filhos.

Primeiro, vale dizer que a dengue é transmitida pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti. Ele é parecido com o pernilongo comum, mas tem o corpo escuro e rajado de branco e possui hábito de picar durante o dia. Os repelentes possuem ação limitada e não eliminam o mosquito, apenas o mantém distante.

A dengue é uma doença febril aguda, causada por um dos quatro tipos do vírus dengue (1, 2, 3 e 4), e que se manifesta desde quadros leves, sintomas clássicos, até formas graves, que podem evoluir para o óbito. Ainda não existem vacinas ou medicamentos que possam prevenir a doença…

Geralmente os primeiros sintomas surgem 4 a 10 dias após a picada do inseto, sendo febre alta súbita (39 a 40 °C) com duração de 2 a 7 dias, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, manchas vermelhas na pele e coceira, além da diarreia, enjoos e vômitos.

Xô mosquito!

Manter o mosquito longe da nossa casa (e dos nossos filhos) é a principal maneira de tentar evitar a doença. Veja as dicas que encontrei:

  1. Mantenha a casa limpa e elimine possíveis criadouros (locais que acumulam água, pois o mosquito precisa de ambiente com água para se reproduzir). Evite água acumulada em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d’ água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras, entre outros.
  2. Coloque telas nas janelas e nas portas do quarto da criança. Já existem telas com permetrina (produto inseticida) recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
  3. No caso dos bebês e crianças pequenas, coloque mosquiteiros no berço e na cama.
  4. Aparelhos de tomada que liberam inseticida podem ser ligados quando a criança não estiver no quarto porque podem ser prejudiciais à saúde. Devem ser ligados longe do berço ou da cama. Já os aparelhos ultrasônicos não apresentam comprovação de boa eficácia.
  5. As velas de citronela também podem ser usadas quando o bebê ou a criança não estiver no quarto, mas têm pouca eficácia.
  6. Em ambientes fechados, pode-se utilizar inseticidas domésticos em aerossol, espiral ou vaporizador.
  7. Na hora de brincar ao ar livre, se possível, o ideal é que a criança use roupas finas, com mangas compridas, punhos fechados, cobrindo braços e pernas. (Esse item é um pouco complicado nos dias quentes, mas fica a dica)

dengue

Na hora de passar o repelente nas crianças:

  • Repelentes NÃO são recomendados para bebês com menos de seis meses de idade e devem ser evitados em crianças menores de dois anos.
  • Cuidado ao aplicar o repelente no rosto da criança. Primeiro aplique o produto nas suas mãos e depois espalhe no rosto do pequeno, evitando boca, nariz e olhos. Lave as mãos após passar o produto na criança.
  • Não passe o repelente nas roupas e nas mãos das crianças, pois elas levam sempre as mãos à boca.
  • Não use repelente na pele irritada ou ferida. Também não passe próximo às mucosas como boca, nariz, olhos e genitais.
  • Evite usar em conjunto com protetores solares, pois diminui a eficácia de ambos os produtos. (Uma alternativa é aplicar primeiro o protetor solar, aguardar 15 a 20 minutos para a absorção e depois usar o repelente)
  • Mantenha os repelentes fora do alcance das crianças, longe de alimentos e não permita que os pequenos apliquem sozinhos.
  • Leia o rótulo e aplique o produto conforme instruções do fabricante, principalmente locais de aplicação, quantidade, reaplicação e idade indicada. Guarde a embalagem para consulta.
  • No caso de qualquer reação alérgica ou intoxicação, lave a área onde o repelente foi aplicado com água corrente e procure um serviço médico ou serviço de controle de intoxicações. Leve com você a embalagem do repelente.
  • Crianças NÃO devem dormir com repelente no corpo.

E qual repelente escolher?

Para serem eficazes contra o mosquito, os repelentes devem conter as substâncias DEET, IR3535 ou Icaridina. Observe esse item na embalagem do produto. Essa tabela mostra as substâncias químicas, os nomes comerciais, o período de duração da ação e as idades dos repelentes comercializados no Brasil:

tabela_repelentes

Obs: Encontrei essa tabela nesse site aqui. Como sugestão de uma leitora querida que usa o Exposis, fui checar alguns dados e vi que as informações do Exposis gel  estão diferentes do site do fabricante. O produto é informado como “infantil e adulto” e a concentração de Icaridina é de 20% (não 50%).

Com informação fica mais fácil a gente se preparar e cuidar da nossa família, não é? Espero que essas dicas tenham esclarecido as suas dúvidas e se tiver algum comentário deixe aqui seu recadinho.

Beijos, da Mamãe Prática Fabi

Fontes: Ministério da Saúde, Conversando com o Pediatra/ SBP, FMU-USP, Dengue.org.br, Dr. Moises Chencinski/ Guia do Bebê, Combate à Dengue.

Foto: Luciana Morassi

logo_clubeCadastre-se no Clube Mamãe Prática para acompanhar nossos posts e novidades!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.