repelente infantil

Como escolher o repelente infantil

Com a proximidade dos meses mais quentes do ano, a gente aproveita para passear mais ao ar livre, curtir a família e viajar para praia ou campo, não é? Mas quando chega essa época também ficamos mais preocupadas com os insetos, pernilongos e mosquitos que podem provocar reações alérgicas e transmitir doenças. Esse é o caso do mosquito Aedes aegypti, vetor de doenças graves como a dengue, a febre amarela, a febre zika e a chikungunya.

Pensando nisso, achei bacana trazer um post para vocês sobre repelente infantil. Antes de tudo, vale dizer que a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) vem alertando sobre os cuidados com o uso exagerado de repelentes em crianças. Ao escolher o produto, é importante ler o rótulo para entender qual é a substância, sua eficácia e tempo de proteção.

No Brasil, a ANVISA autoriza a utilização de repelentes infantis sintéticos ou naturais. O problema dos repelentes naturais é que estes são altamente voláteis e seu efeito tem curta duração, além de não garantirem proteção adequada contra o Aedes aegypti. A citronela e a andiroba, por exemplo, não têm contraindicações (exceto irritações na pele), mas não possuem eficácia comprovada.

Bebês
Repelentes não são indicados para bebês menores de seis meses. Nesse caso, o ideal é tentar protegê-los com roupas, além de mosquiteiros, telas nas janelas e portas. Também não se indica o uso de repelentes elétricos com produtos químicos (aqueles de colocar na tomada) no ambiente aonde estiver o bebê. Em geral, a SBD recomenda que o uso de repelentes seja evitado nas crianças menores de 2 anos, sendo utilizados apenas em situações especiais, com orientação e acompanhamento médico.

Substâncias
Esses são os princípios ativos dos repelentes encontrados no mercado:

Substância Idade recomendada Período de proteção
Icaridina (KB3023) Para crianças a partir de 2 anos de idade em concentração de até 25% . Eficácia contra o Aedes aegypti é de 1,1 a 2,0 vezes mais potente do que os repelentes contendo DEET. Concentração de 10% confere proteção por período de 3 a 5  horas. Já a concentração de 20% protege de 8 a 10 horas.

 

DEET (dietiltoluamida) Crianças de 6 meses a 12 anos podem utilizar em concentração máxima de 10%, sendo que não deve ser aplicado mais que 3 vezes ao dia. Versões infantis 6-9% protegem por 2 horas.
IR 3535 Para crianças acima de 6 meses em concentração de até 30%. Em concentração de 20%, é eficaz por um período de 4 a 6 horas, inclusive contra o Aedes aegypti.

Fontes: OMS e SBD

Antes de escolher qual repelente comprar, vale dar uma olhada nessa tabela comparativa que preparei com as principais opções disponíveis no mercado. Veja só:

Marca Idade recomendada/ tempo de proteção/ substância
Exposis Infantil

Exposis_Infantil

– A partir de 2 anos
– 10 horas de proteção
– Icaridina com 25% de concentração
Exposis Gel

Exposis Gel

– A partir de 2 anos
– 10 horas de proteção
– Icaridina com 20% de concentração
Loção Antimosquito JOHNSON’S baby

Loção Antimosquito_johnson

– A partir de 6 meses
– 4 horas de proteção
– IR 3535 com 12,5% de concentração
OFF! Kids

OFF! Kids

– A partir de 2 anos
– 2 horas de proteção
– DEET com 7,1% de concentração
OFF! Family

WO 4336_OFF! Family Loção

– A partir de 2 anos
– 2 horas de proteção
– DEET com 7,1% de concentração
OFF! Refresh

OFF! Refresh Spray

– A partir de 12 anos
– 5 horas de proteção
– DEET com 15% de concentração
OFF! Family Aerossol

WO 5391_OFF! Family Aero

– A partir de 12 anos
– 6 horas de proteção
– DEET com 15% de concentração
Repelex Kids

REPELEXKIDS133ml-Alta

– A partir de 2 anos
– 2 horas de proteção
– DEET com 7,5% de concentração
Super Repelex

REPELEXFAMILYCARELÍQUIDO100ml-Alta

– A partir de 12 anos
– 6 horas de proteção
– DEET com 14,5% de concentração

Fonte: fabricantes

Mais dicas para proteger as crianças

  • Procure vestir roupas brancas nas crianças, pois roupas coloridas atraem os insetos, assim como perfumes.
  • Os dispositivos ultrassônicos e os elétricos luminosos com luz azul são ineficazes.
  • Não se deve utilizar produtos combinados com filtros solares, pois eles costumam ser reaplicados com uma frequência maior.
  • Os repelentes não devem ser aplicados mais do que três vezes ao dia nas crianças.
  • Suor atrai os insetos.
  • Não deixe seu filho dormir com repelente no corpo. Dê banho antes.
  • Leia o rótulo antes de aplicar o produto e conserve-o para consulta.
  • Mantenha os repelentes fora do alcance de crianças e não permita sua auto-aplicação.
  • Evite o uso próximo a mucosas (boca, nariz, olhos, genitais) ou em pele irritada ou ferida. Para uso no rosto, primeiro aplique o produto nas mãos e então espalhe com cuidado.
  • Evite aplicar o repelente nas mãos das crianças e por baixo das roupas. Sempre lave as mãos após aplicar o produto.
  • Use quantidade suficiente para recobrir a pele exposta e evite reaplicações frequentes.
  • Se suspeitar de qualquer reação adversa ou intoxicação, lave a área exposta e entre em contato com o serviço de intoxicação. Se necessário, procure serviço médico e leve consigo a embalagem do repelente.
  • Escolha produtos aprovados pelo Ministério da Saúde e/ou Anvisa, pois garantem que o produto seja eficaz e seguro.

Com informação fica mais fácil a gente proteger nossos pequenos, não é? Agora é aproveitar os passeios e o calor!

Beijos, da Mamãe Prática Fabi

Fonte: SBD, fabricantes consultados

Foto abertura: Sueli Zischler

clubeCadastre-se no Clube Mamãe Prática para acompanhar nossos posts e novidades!

 

Um comentário em “Como escolher o repelente infantil”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.