Volta às aulas: como fazer a adaptação sem traumas

Fiquei muito feliz quando a diretora da nova escolinha da Manu fez uma reunião com os pais antes do início das aulas. “Aulas”, leia-se aqui, para crianças de 2 anos, que vão completar apenas 3 aninhos este ano (ainda são tão bebês, né?). Então, a minha preocupação inicial é se ela irá conseguir se adaptar à escola, ao convívio com novas professoras e coleguinhas, deixando um pouco a barra da saia da mamãe e do papai depois de quase 2 meses “de férias” com a gente.

Toda mudança traz receios e, por isso, é normal a gente se sentir um pouco perdida e insegura quando colocamos nossos filhos na escola pela primeira vez – seja um bebê de alguns meses ou até uma criança de 4 anos – ou quando eles mudam de instituição.

“Será que ele vai chorar sem parar? Será que vai conseguir se adaptar? E se não chorar e entrar sem olhar para trás? Ah, então ele não gosta de mim!”. Tudo isso passa pela nossa cabeça, mas são pensamentos que, com o tempo, irão sumir e a alegria de nossos filhos indo para a escolinha irá tomar conta do nosso coração. Com a Manuela foi assim. Já contei AQUI e AQUI como foram as duas outras adaptações da Manu em escolas anteriores, mas agora ela está fazendo uma nova adaptação, e tudo começa “do zero” …

O que ela e todas as outras crianças pequenas que vão passar por isso precisam, de fato, é conhecer e se apegar às novas professoras e amiguinhos. Resumindo: eles precisam criar um novo vínculo na sua ainda restrita vidinha social. Afinal, é disso que se trata a adaptação: acostumá-los ao ambiente, à rotina e, principalmente, às pessoas que eles acabam de conhecer. Por isso, gostei da atitude da escola em receber os novos pais, em acalmá-los e orientá-los sobre a adaptação e a rotina da escola, afinal, nós também estamos criando esse novo vínculo …

Dicas para superar a adaptação
Se você também está passando por isso, seguem algumas dicas/sugestões de uma mãe que também está aprendendo:

  • Procure uma escolinha que não force a adaptação em 2 ou 3 dias, pois cada criança tem seu próprio tempo (nas vezes anteriores, a Manu levou mais de um mês para ficar totalmente adaptada).
  • Ao escolher a instituição, procure saber detalhes de como é a adaptação (se você vai poder ficar junto com a criança, se eles chamam os pais caso a criança não pare de chorar, quem na escola vai participar da adaptação).
  • Se possível, leve a criança na escola nova antes mesmo das aulas começarem, sem pressa (desta vez, eu fiz isso uma semana antes e foi ótimo – a Manu até viu a sua sala, conheceu antes sua professora e já levou pra casa a sua mochila identificada com seu nome).
  • Procure saber como a escola recebe os pais (como dá atenção aos novos pais, se faz reuniões de tempos em tempos e se sempre está aberta às dúvidas).
  • Diga para seu filho: agora, as tias “tal” e “tal” vão CUIDAR de você. Passe segurança!
  • Ajude seu filho a se identificar com a escola: fale sobre os amiginhos, sobre as brincadeiras que ele terá lá e sobre a professora nova.

Este ano, a professora nova da Manu fez uma cartinha (inclusive com foto) se apresentando às famílias. Além de simpático, me ajudou, pois eu li algumas vezes para ela. Além disso, fomos juntas comprar o uniforme novo; ela adorou escolher as roupas e levá-las pra casa.

Mamães, legal dividir com vocês a minha experiência. Espero tê-las ajudado sobre esse assunto.

Beijos, da Mamãe Prática Mari

Foto: Viviane Stonoga/ freeimages

logo_clubeCadastre-se no Clube Mamãe Prática para acompanhar nossos posts e novidades!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.